ACESSO DO PACIENTE

Usuário: Senha: Observação: Exames em andamento, usuário sem permissão ou com pendências financeiras bloqueiam acesso ao resultados on line.

ACESSO DO MÉDICO

Protocolo: Senha: Observação: Exames em andamento, usuário sem permissão ou com pendências financeiras bloqueiam acesso ao resultados on line.

ACESSO DO CONVÊNIO

Protocolo: Senha: Observação: Exames em andamento, usuário sem permissão ou com pendências financeiras bloqueiam acesso ao resultados on line.

HIV

HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana, seu principal é a deterioração progressiva do sistema imunológico celular, sistema que conduz a imunossupressão grave e torna o indivíduo mais suscetível a doenças oportunistas. HIV não é a mesma coisa que AIDS, que é uma doença crônica e que pode ser potencialmente fatal. Ela acontece quando a pessoa infectada pelo HIV vai tendo o seu sistema imunológico danificado pelo vírus
Dentre as principais formas de transmissão está à sexual, sendo responsável por 75 a 85% de todos os casos da doença, principalmente por relações sexuais desprotegidas, isto é, sem o uso do preservativo. Outro modo de transmissão eficaz do HIV é a sanguínea associada ao uso de drogas injetáveis, compartilhamento de seringas e agulhas contaminadas com sangue, o que é frequente entre usuários de drogas ilícitas. A transmissão vertical é a infecção pelo vírus HIV passada da mãe para o filho, durante o período da gestação, no trabalho de parto ou pelo aleitamento materno. Acidentes de profissionais da área da saúde com objetos perfuro-cortantes contaminados com sangue de pacientes com HIV são muito comuns, este tipo de transmissão é chamado de ocupacional.
De acordo com o Ministério da Saúde, os principais métodos diagnósticos para detecção da infecção pelo HIV podem ser divididos basicamente em quatro grupos: detecção de anticorpos; detecção de antígenos; cultura viral; amplificação do genoma do vírus.
Quando falamos em tratamento, os mais eficazes ainda são os medicamentos antirretrovirais (ARV) surgiram na década de 1980 para impedir a multiplicação do HIV no organismo. Esses medicamentos ajudam a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico. Por isso, o uso regular dos ARV é fundamental para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e reduzir o número de internações e infecções por doenças oportunistas.

Dr. Juliano Rafael Müller
CRBM: 2120

REFERÊNCIAS

BERQUÓ, Elza; BARBOSA, Regina, M. Grupo de Estudos em População, Sexualidade e AIDS. Introdução. Rev. Saúde Pública. 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. AIDS: etiologia, clínica, diagnóstico e tratamento. Assistência a Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. 2008.
BUTTO, Stefano. et al. Laboratory diagnostics for HIV infection. Ann. Ist. Super. Sanità, Roma, v. 46, n. 1, Mar. 2010.
MERCK & CO. INC. AIDS/HIV: Infecção pelo vírus da imunodeficiência. 2007.
SOUSA, Carla Sofia de Oliveira; SILVA, Alcione Leite da. O cuidado a pessoas com HIV/aids na perspectiva de profissionais de saúde. Rev. esc. enferm. USP. São Paulo, v. 47, n. 4, Aug. 2013.
TASCA, Karen Ingrid; CALVI, Sueli Aparecida; SOUZA, Lenice do Rosário de. Immunovirological parameters and cytokines in HIV infection. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. Uberaba, v. 45, n. 6, Dec. 2012.
VIEIRA, Gabriel de Deus; ALVES, Thaianne da Cunha; SOUSA, Camila Maciel de. Epidemiological evolution of vertical HIV transmission in Rondônia, Brazil. Braz J Infect Dis. Salvador, v. 17, n. 5, Oct. 2013.

Cadastre e receba as novidades dos Laboratórios Heinz Willrich