ACESSO DO PACIENTE

Protocolo: Senha: Observação: Exames em andamento, usuário sem permissão ou com pendências financeiras bloqueiam acesso ao resultados on line.

ACESSO DO MÉDICO

Protocolo: Senha: Observação: Exames em andamento, usuário sem permissão ou com pendências financeiras bloqueiam acesso ao resultados on line.

ACESSO DO CONVÊNIO

Protocolo: Senha: Observação: Exames em andamento, usuário sem permissão ou com pendências financeiras bloqueiam acesso ao resultados on line.

Doença Celíaca

A Doença Celíaca (DC) é uma intolerância à ingestão de glúten, contido em cereais como cevada, centeio, trigo e malte, em indivíduos geneticamente predispostos. É uma enteropatia, caracterizada por um processo inflamatório que envolve a mucosa do intestino delgado, levando a atrofia das vilosidades intestinais, má absorção e uma variedade de manifestações clínicas. As proteínas do glúten são relativamente resistentes às enzimas digestivas, resultando em derivados peptídeos que podem levar à resposta imunogênica em pacientes com DC.
As manifestações clínicas podem envolver o trato gastrointestinal, assim como pele, fígado, sistema nervoso, sistema reprodutivo, ossos e sistema endócrino. É a causa mais comum de atrofia da mucosa do intestino delgado proximal.
O diagnóstico deve ser cogitado em todo paciente com diarréia crônica, distensão abdominal, flatulência, anemia ferropriva, osteoporose de início precoce, elevação de transaminases, familiares de primeiro e segundo graus de pacientes com DC, SII, hipocalcemia, assim como na deficiência de ácido fólico e vitaminas lipossolúveis, entre outros.
Até recentemente, era reconhecido apenas em pacientes com manifestações clínicas típicas ou com elevado grau de suspeita. O diagnóstico geralmente é realizado em crianças com a síndrome má absortiva. Após o surgimento de testes sorológicos de alta acurácia e maior atenção dos médicos para manifestações atípicas, tem aumentado a prevalência de DC e seu diagnóstico fora da faixa pediátrica.
Doença celíaca não tratada tem alta morbimortalidade. Anemia, infertilidade, osteoporose, e câncer, principalmente, linfoma intestinal, estão entre os riscos de complicação em pacientes sem tratamento.

REFERÊNCIAS:
ANDREOLI, Cristiana Santos et al . Avaliação nutricional e consumo alimentar de pacientes com doença celíaca com e sem transgressão alimentar. Rev. Nutr., Campinas, v. 26, n. 3, p. 301-311, June 2013.
CUNHA, M; CARNEIRO, F; AMIL, J. Doença celíaca refratária. Arq Med, Porto, v. 27, n. 1, fev. 2013.
SILVA, Tatiana Sudbrack da Gama e; FURLANETTO, Tania Weber. Diagnóstico de doença celíaca em adultos. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 56, n. 1, p. 122-126, 2010.

Dr. Juliano Rafael Müller / CRBM: 2120

Cadastre e receba as novidades dos Laboratórios Heinz Willrich